segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Melro preto

(Turdus Merula)

É uma ave muito comum na península Ibérica. Sendo entre nós uma espécie residente, é migradora nas regiões setentrionais da Europa. Pode frequentar diferentes ambientes e climas. Tanto o podemos encontrar em bosques densos e charnecas como em sebes e jardins citadinos.

Mede de 24 a 27 cm de comprimento.

Esta espécie caracteriza-se pelo seu  dimorfismo sexual. O macho é de fácil identificação pela sua cor preta acentuada, o bico amarelo e um anel amarelo em volta dos olhos. A fêmea tem plumagem castanha. O juvenil tem o dorso preto e o ventre pardo-escuro malhado de pardo-claro e  a garganta e a parte superior do peito pardas com manchas claras. as fêmeas chegam a ser confundidas com o tordo comum.

A sua dieta alimentar é, sobretudo, constituída por insectos, vermes, bagas e sementes mas é também possível vê-lo aproveitar migalhas e restos de alimentos de outros animais.

Em Portugal existem três sub-espécies residentes:
 - Turdus merula merula, no Continente;
 - Turdus merula azoriensis, nos Açores;
 - Turdus merula cabrerae, na Madeira.

Nidifica na Primavera, em arbustos ou árvores densas, e chega a reproduzir-se três vezes por ano. As fêmeas fazem posturas de três a cinco ovos, que são incubados durante 11 a 17 dias. Os juvenis começam a voar ao fim de 12 a 19 dias.

Com o objectivo de marcar um território, os machos costumam cantar nos meses de Fevereiro a Junho. Em anos em que o tempo está mais seco podem mesmo ouvir-se já em Janeiro. Este facto pode indiciar que estamos em presença de um ano com más condições para as culturas, o que deu origem ao ditado popular "quando o melro canta em Janeiro é tempo de sequeiro o ano inteiro".

Ordem:               Passeriformes
Família:             Turdidae
Nome cintífico: Turdus merula
Nome Comum:  Melro preto


              Imagens captadas em Oeiras e em Pinheiros de Marim (Parque Campismo do SBSI)














Enviar um comentário