terça-feira, 10 de julho de 2012

Ti Manel Dias



Parece que ainda estou a vê-lo, enfiado no seu fato-de-macaco de ganga azul, muito calmo, afável com a garotada que não se fartava de o observar, quando fazia a manutenção do motor e da malhadeira (debulhadora), ao Domingo, por ser dia de folga. Quando for grande quero ser maquinista, era o pensamento que pairava em muitas daquelas cabecinhas. É ao Ti Manel Dias, homem de grande simpatia, muito estimado e admirado por toda a gente, que quero hoje prestar singela homenagem.

Estávamos então no advento da mecanização de algumas tarefas agrícolas. Há bem poucos anos atrás a malha (debulha) de cereais como o trigo e o centeio era toda feita, na eira, através de força braçal utilizando-se o mangual. Quando se começou a generalizar o uso das malhadeiras mecânicas, ainda de tracção animal no que se refere à sua deslocação, continuou-se a fazer o transporte do cereal para a eira, com recurso ao carro de bois. No que ao seu funcionamento diz respeito, estas máquinas eram postas a trabalhar, através de uma enorme correia de transmissão, por um motor a vapor (de combustão externa), que, tal como a malhadeira, não era ainda dotado de automobilidade, também para a sua deslocação era necessária uma junta de vacas.

Em zonas em que predominava o minifúndio só muito poucos tinham capacidade financeira que lhes permitisse a aquisição deste tipo de equipamento. Os que o conseguiam tentavam rentabilizar o seu uso colocando-o ao serviço da comunidade mediante a cobrança de uma maquia, em cereal, proporcional à produção de cada um.

Na maior parte das aldeias do interior Beirão havia apenas uma malhadeira para uso de toda a população. A Benquerença não fugia à regra. A única que existia nas décadas de (19)40/50, ou mesmo um pouco antes, pertencia a Francisco de Oliveira Esteves, conhecido pelo Senhor Chico, que era o lavrador mais abastado da freguesia. Mas o Ti Manel Dias, o maquinista, que se manteve ao serviço daquele proprietário durante quase toda a sua vida, é que dominava tanto a malhadeira como o motor. Manobrava, lubrificava e reparava uma e outro e até procedia, periodicamente, a um criterioso trabalho de descarbonização do motor. Este tinha uma curiosa forma que fazia, vagamente, lembrar um animal de ferro, com rodas também elas de ferro. Eu diria mesmo que, na minha óptica, o via como um simpático e possante monstro que, embora não me intimidando, me inspirava grande respeito. Não esqueçamos que era ele que, através da tal correia, punha a malhadeira em funcionamento. O movimento era depois multiplicado, na máquina, por via de outras correias menores,  réguas e veios de transmissão, que accionavam crivos e outros dispositivos que, como por milagre, permitiam separar o grão da palha e da moinha. O que me intrigava era que, apesar de toda esta pujança, o motor não tivesse capacidade de se mover pelos seus próprios meios, tanto mais que até possuía rodas!

Tendo procedido a diversas pesquisas, não consegui obter imagens que correspondam fielmente a este modelo de motor, na altura nem sequer sonhava que um dia poderia vir a possuir uma máquina fotográfica, por isso as que se mostram dão apenas uma ideia. Já as que se referem à malhadeira correspondem exactamente  aos modelos que se usavam, na época, na zona do País a que me reporto.

A função de maquinista do Ti Manel Dias era, bem entendido, sazonal. A debulha dos cereais de pragana decorria, no Verão, durante cerca de mês e meio a dois meses. No Inverno voltava a exercê-la, mas agora debaixo de telha, no lagar de azeite pertencente ao mesmo patrão, por outro tanto tempo. Durante o resto do ano, ou seja durante a maior parte do ano trabalhava a terra como qualquer outro camponês.

Se o paraíso celeste existe o Ti Manel Dias só pode ter ido para lá e sabe, claro, que ainda há quem o recorde.



                                                         Imagens obtidas na Internet


Ceifa

                                                                Transporte para a eira

                                                              Malha manual com mangual

Mangual

                                                                      Malhadeira

Malha com malhadeira

                                                                        Motor a vapor

                                       Tractor  a vapor, já dotado de autolocomoção,
                                        com a correia de transmissão montada.
Enviar um comentário